Seguidores

segunda-feira, 18 de abril de 2016

terça-feira, 21 de outubro de 2014

DESEJO DAS ELEIÇÕES

Não converso sobre politica, até agora não escrevi nada, observo muito.Tenho amigos(as) nas duas opções de voto e respeito a escolha de todos ainda que não esteja de acordo, pois acredito que isso seja democracia. O que venho aqui deixar registrado talvez não interesse a ninguém, são as simples memórias de uma cidadã simples. Conversando com uma tia sobre o voto (dela e meu) ela me lembrou: Tudo que está acontecendo se deve ao passado, toda mudança boa ou má ocorre por consequências do passado. E eu me pus a lembrar, lembrar que quando era criança as pessoas tinham medo e fala velada, as situações eram camufladas. Lembrei que na minha casa não tinha carro, tv colorida, nem telefone e meus pais lutavam muito pra não faltar o básico. Na minha adolescência teve uma mudança grande e as pessoas começaram a gritar a todos pulmões que tinham direitos, que tinham escolhas e as mudanças foram abraçadas, um mártir se foi, foi estranho, a forma foi estranha. Entrou o presidente bigodudo e mudou a moeda Corríamos aos mercados tentar comprar comida e era difícil, até feijão, leite só podíamos comprar um quilo, um pacote. Fazíamos planos mirabolantes pra conseguir comprar comida. Meu pai trabalhava muito, ganhava muito e gastava muito, tudo com a comida rara e cara. Tínhamos que ser mais rápidos, mais que a arma que dia e noite aumentava os preços, muitas vezes trocados varias vezes ao dia. Hospital nem pensar só íamos quando não havia mais escolhas.Estudo? No máximo segundo grau, pobre que entrava na universidade era um acontecimento.
Momentos incríveis era quando o pai ou mãe de algum coleguinha ia buscar o filho de carro, todo mundo saia pra ver era uma coisa de outro mundo. O tempo passou e ainda sinto cheiro da carne fétida que vendia nos açougues em 1986. Depois teve o presidente gato (pessoas declaravam que votou nele porque ele era bonito) que ganhou do trabalhador , lider que nem sabia falar direito. O que era gato e burro pois se deixou pegar, não acredito que fosse mais corrupto que os anteriores, eu acredito em conspirações e acho que ele deve ter aprontado alguma com a rede de tv poderosa pois até série de tv pra animar o povo a pintar a cara teve na época ( Anos Rebeldes). E saiu o povo tirou, hummm, o povo tirou mesmo? Aí botaram o velhinho simpático, que viveu e lutou na ditadura, preparado mas...foi mudando algumas coisas e depois um outro velhinho simpático que mudou a moeda mais uma vez, Privatizou... diminuiu a inflação mas pagamos com várias situações mal resolvidas até hj, tantas coisa que o post grande ficaria ainda maior. Depois veio O trabalhador que o povo queria, ganhou e ficou dois mandatos teve festa como não se via desde o tempo que o povo gritou que que queria votar, prometeu mundo e fundos, dizem que cumpriu algumas coisas, dizem que fez besteiras, dizem que roubou.Na verdade vi muita coisa. Saiu e entrou a presidenta, não simpatizo com ela. Ok a coisa é mais profunda. Sou simples, e o que digo é o que observo. Existem as consequências, contudo existe a sabedoria da continuidade das coisas positivas de cada político que passou independente de partido Pobre estuda e se forma, abre empresa registrada com direito a benefícios O povo tem carro. Eu quero que o transporte publico melhore e assim não se precise tanto de carros. Eu hoje como maçã, uva, morango, iogurte e carne, meus vizinhos também. Existe vários problemas no país, mas eu que sou filha de  pais com pouca escolaridade sou formada na universidade Federal, tenho irmãos formados e dois filhos na universidade federal também. Existem cotas, bolsas de assistência, pobre comprando casa. Desonestos que se aproveitam? Tem também, infelizmente terá sempre. Meu marido e minha sogra recebem remédios gratuitos assim como tantos outros que precisam de remédios de uso continuo, pois é direito pagamos impostos, bem são tantas coisas que até cansei, sinto mais benefícios no agora do que motivos para queixa, ajustes sim, precisa melhorar sim mas digo DILMA SIM, Será o meu voto. Aécio? Acho que o avó dele não está feliz...E quanto a nós eleitores desejo paz e que ganhe o que for melhor pra todos.

sábado, 7 de junho de 2014

FOME DE VAMPIRA

Então como deveria ser a vida de uma vampira?
Te digo que apesar de estar no topo da cadeia alimentar, nada muda. Alegrias momentâneas, insatisfações, interrogações.Passo a claridade do dia esperando a escuridão da noite, já que nem tudo pode ser explicado, nem resolvido e a inconstância me faz parte, incômodos, rotina, sim rotina. Hoje me deparei com alguns textos e me fiz perguntas sobre o que eu como. Sim gosto de sangue, já passei para um estágio decadente que além do sangue quero a carne, suas fibras, texturas, cores e odores. Mato rápido e deixo a demora para cada bocado que degusto num prazer recordado durante todos os momentos da existência nos quais não estou nesse ato e ainda assim sou melhor que você, Sim. Não torturo, não quero o sofrimento pois isso tiraria o sabor e envenenaria a iguaria, tenho cuidados, não desperdiço e busco só o meu consumo. Vejo vocês que viram a cara para os leões, abutres e serpentes, que só matam depois de terem digerido tudo por muito tempo. Gado confinado e que só bebem soro de leite, pra dar carne macia e branca, porcas que passam a vida deitadas parindo e amamentando, gansos e patos que são obrigados a comer até a morte, para iguaria do fígado manteiga, frangos com hormônios abatidos antes dos três meses. Pode-se criar animais e abate-los , sem tortura-los , com uma morte rápida depois de uma vida tranquila. Espera passou algo aqui na minha cabeça: o que um golfinho é melhor que uma galinha? E o cachorro melhor que o porco, Então? Em que vocês são melhores? Porque rezam? Ah entendo rezam e julgam, rezam e matam com o olhar, a maledicência furtiva. Porque amam? Mas quando alguém precisa fogem. São melhores porque sabem colocar filhos no mundo que não irão amar? 
O meu grande problema é que posso me apaixonar pelo meu almoço, no entanto me salvo rápido e então mais importante será o próximo deleite, o próximo banquete.
Ok, deixe-me na minha solidão, sou um monstro com o cinismo que quase flerta com a felicidade.

terça-feira, 22 de abril de 2014

DEPOIS DA FESTA



Ontem, foi demais, bebi, dancei e mandei o sinal verde para aquele fofo que eu já estava de olho e rolou. Nos enroscamos à noite inteirinha. Mas agora estou com medo, bêbada acho que não tomei os devidos cuidados, estou me sentindo estranho e ela será que esta como eu? Estou com medo, será que estou grávida? E se ele também está? Ando meio chateado, estava me anulando, me escondendo da vida. As águas por aqui estão bem ácidas... Por isso ontem radicalizei. Outro dia aprontaram uma pista com raias de sal e que alternativas tivemos? A não ser correr tentando salvar a pele. Gritavam:
_Andem seus molengas!
_Cheguem logo suas lerdas!
A sorte foi que cansaram e antes que morrêssemos nos jogaram no aquário, conseguimos nos recuperar. Mas o verdadeiro motivo da minha chateação é essa confusão, não sabem distinguir entre um caramujo e um caracol. Não sou um caracol que rasteja na terra e respira pelos pulmões e pele, sou um caramujo, tenho brânquias e dependo de água para respirar. Agora fico com as minhas preocupações. Vou ali na borda colocar uns 1.500 ovos, o pior é se minha amada  estiver fazendo a mesma coisa no outro canto do aquário. Como vamos sustentar 3.000 filhos-filhas?


ESCOLA ITINERANTE DE TEATRO E PERFORMANCE/EITP ETAPA PLATAFORMA

CHEGOU A HORA DE PLATAFORMA!!!!
INSCRIÇÕES ABERTAS!!!
ESCOLA ITINERANTE DE TEATRO E PERFORMANCE - 5ª EDIÇÃO - OCO Teatro Laboratório
ETAPA - Teatro Plataforma - 05 A 17 DE MAIO DE 2014.
INSCRIÇÕES GRATUITAS EM:
www.ocoteatro.com.br

terça-feira, 15 de abril de 2014

ENTREVISTA: GUSTAVO MARTINS / MINICONTOS PERVERSOS

  • A entrevista da vez é com o publicitário, músico e escritor Luis Gustavo Martins, autor do blog e do livro de mesmo nome: Mincontos Perversos. Natural de Lins, paulista de 43 anos, faz parte do cenário cultural Curitibano e vale a pena conhecer um pouco mais sobre sua trajetória, convido vcs a conhecerem um pouco desse mundinho dos minicontos, aconselho a despir dos preconceitos e experimentar livro e blog, de vez em quando um nó danado outros ficarão rubros ou ainda a sensação das primeiras piadas picantes, ou então fiquem, fiquem indignados...
  • Dea Mota: O que o motivou a começar a escrever, criar um blog e quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha, ou seja o livro ou o blog?
  • Gustavo Martins: Comecei ler (de verdade, livros grandes e complexos) bem cedo, a escrever poesias e músicas cedinho, lá pelos 13 anos. Aí na época do vestibular pratiquei muita redação. Quando entrei na faculdade de propaganda foi natural me bandear pro lado da redação publicitária (lembra? textos curtos.30 segundos pra rádio e TV, síntese máxima para outdoor e anúncios.Mais ou menos nessa época li Hemingway e Rubem Fonseca e me apaixonei pelos contos (short stories) Um dia, lá pelos 25 anos me deu o click. E se eu escrever contos mais e mais curtinhos, usando o mínimo possível de texto, como faço em propaganda?Aí nasceram os MiniContos Perversos. Fui escrevendo um atrás do outro sem ter onde publicar, pensando, um dia uma grande editora me acha. Lá pelos idos de 2007 descobri os blogs -- perceba, meio atrasado.Em 2008 nasceu http://minicontosperversos.blogspot.com/ Os contos narram com naturalidade e sem emitir opinião acontecimentos que, para a massa seriam chocantes.Por isso perversos.
  • Dea Mota: Seu contos curtos tem um pouco de subversão, comicidade sutil, crueldade poesia e elementos do cotidiano.
  • Gustavo Martins: Digo que são contos de auto-ajuda só que ao contrário
  • Dea Mota: Você se inspira em algum autor em particular?
  • Gustavo Martins: .Charles Bukowski, Dalton Trevisan, Bill Waterson (Calvin & Hobbes) e todos os grandes e antigos do blues.Fujo de anedotas e de noticiário policial
  • Dea Mota: Costuma usar algum setor especifico da arte como inspiração?
  • Gustavo Martins: Rock'nroll, blues e conversa de boteco.Aliás, a dialética de boteco é uma das artes mais sérias e inspiradas da face da terra.Ah assisto e gosto de sitcons americanos, mas eles não inspiram. Me deixam mais burro. Quando assisto muitos deles, escrevo menos.A felicidade me faz escrever menos.Parece que tristeza é o combustível mais usado pelos criadores, a insatisfação, a necessidade de preencher o vazio, gente feliz não precisa escrever e quando fazem, fica monótono e mecânico.
  • Dea Mota: Tem vezes que penso o mesmo , mas sabemos que não é uma regra.
  • Gustavo Martins: Até a maldade é um bom combustível também.
  • Dea Mota: Você criou uma personagem, o Zé, pois me diga : É uma personagem mesmo ou é o seu alter ego.
  • Gustavo Martins: O Zé existe em cada grupo de amigos. Não criei não, só dei forma.O Zé, diferente do que muita gente possa pensar, é um romântico mulherengo com problema de autoestima.Ele personifica as dezenas, centenas de histórias de conquistas que ouvi dos amigos, imaginei e, quem sabe, vivi. Mas veja, o Zé nunca é um cara bem-sucedido. Aí perderia a graça (lembra do que falei dos escritores felizes. O Zé se esforça pacas, ás vezes é politicamente incorreto e, invariavelmente, se dá mal, como nas histórias de caras que se dão muito bem são inverossímeis; são aquelas que escutamos de babacões que (quase sempre mentindo) contam vantagem.O Zé é reflexo da realidade.
  • Dea Mota: Pra mim que sou fã é um anti herói perfeito, é aquele homem que faz parte das nossas vidas reconhecemos em seus erros e pilantragens mais ainda amamos por ser exacerbadamente humano e capaz do inesperado, desculpa mas é que sou do MCP
  • Gustavo Martins: A mim não, sou menos que coadjuvante.
  • Dea Mota: Mas vc se reconhece em algumas daquelas histórias, né?
  • Gustavo Martins: Seria abominável se não me reconhecesse. As histórias nem sempre são contruídas por narrativas lineares. Às vezes uso trechos de 2, 3 narrativas para escrever um MCP.Principalmente em relação ao fim. Conto bom tem que ter fim, mas na minha "casta" opinião, não pode ser "sacadinha", senão vira anedota. Aí uso a imaginação ou junto histórias para criar finais aceitáveis (para um bom leitor).
  • Dea Mota: Surpreender sempre.
  • Dea Mota: Surpreender sempre parece ser o seu lema.
  • Gustavo Martins: Mas SEM SER SACADINHA.Tem escritor de conto que não entende isso. Aí escreve 23 contos, e ficam todos com a mesma linha narrativa, ficam previsíveis.Tedioso ler 90% dos escritores e 99% dos poetas.
  • Dea Mota: Como vê a condição do autor literário no Brasil? Você pensa em tentar viver algum dia exclusivamente de suas obras?
  • Gustavo Martins: Nem de literatura nem de música.Escrevo porque gosto. E o que gosto, que é LITERATURA, não vende.E se for me prostituir e escrever só o que o povo gosta de ler, aí é a mesma coisa que trabalhar no escritório que trabalho.Vou te contar uma coisa que exemplifica bem isto.Meu blog (de literatura, portanto, não tenho 10.000 acessos dia, mas algo em torno de 200, o que é muito bom pra literatura) tem um público fiel. Lancei o livro. Muita gente não comprou, pois, por mais que se amarre no blog, tem de graça os contos ali. PRA QUE COMPRAR O LIVRO? Usuários de internet são freeleadeers. QUerem o conteúdo de graça.
  • Dea Mota: Ops rsrsr, essa bateu em mim.
  • Gustavo Martins: Nada de OPS. Tem amigo meu de infância que acha inconcebível não ganhar meu livro. Com música -- sou músico de rock'n'roll e blues também, baixista e vocalista da Sociedade Secreta do Rock -- é a mesmíssima coisa.Como sou um cara que gosta de certos mimos, prefiro viver bem e levar a literatura e a música de um jeito mais prazeroso.
  • Dea Mota: Que bom que o que te move na arte é o prazer, o labor vem a partir da vontade de vivenciar, mesmo que não seja este o seu ganha pão. Mas está fortemente presente na sua vida. Me fale um pouco mais sobre a sociedade secreta do rock
  • Era pra ser um power trio (baixoo, guitarra e bateria), três caras fazendo som de uma orquestra, como acontece com Cream, Hendrix e Stevie Ray Vaighan, mas aí a putaria da noite criou uns empecílios pra um dos membros que saiu. E foi substituído. Quando ele botou ordem na vida e resolveu voltar, ficamos em 4.Tocamos rock e blues, nacionais e de fora, honestos, com muito improviso.Tocamos o que gostamos de tocar.Viu o último clipe né?As músicas sempre soam um pouco mais pesadas e sujas, sempre com uma levada muito particular.Só usamos intrumentos vintage (caríssimos, lembra, pequenos prazeres) que garantem um som único e puro.Puro não, potente. Um som que a eletrônica não garante.Sobre o livro...
  • DeaMota: As pessoas lêem pouco e escrevem pouco nas escolas, na cidade que vc mora é diferente? E você teria alguma formula para melhorar isso?
  • Gustavo Martins: Ah! Hoje a blogsfera é bem diferente, nesse sentido o Facebook e os e-mails e messengers salvam. Secar a máquina pública, investir em eficiência. Com o ganho investir em educação e em uma população crítica e pensante.A partir disso, o consumo e a produção de conteúdos de qualidade acontecem naturalmente.É fácil ler blogs de piadinha e fofoca. É fácil passar o dia vendo bumda de mulher bonita. Nâo exige esforço.Agora, exercer o pensamento crítico é outra história. Não que seja difícil de ler, mas o que escrevo exige um pouco de esforço de quem consome.É como tomar uma boa e forte cachaça de alambique. Não é pra qualquer paladar. Tem que ter treino.Por outro lado, tomar vinho docinho geladinho é fácil. Só que..,. AGUENTE a ressaca no dia seguinte.
  • Dea Mota: Deixa um recado pra quem está iniciando nessa aventura
  • Gustavo Martins: Leitura de textos curtos, como os MCPs, é um exercício de criação e imaginação também. Então, ao entrar nesse mundinho vagabundo, solte os freios. Em pouco tempo você vai se apaixonar.
  • Visitem: http://minicontosperversos.blogspot.com.br/

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

ENTREVISTA: AMADEU ALVES


Amadeu Alves Ribeiro Filho, nascido e criado perto do mar de Itapuã e da Lagoa do Abaeté, músico de mão cheia, que faz da sua arte, seu labor, sua vida, levando sempre poesia por onde quer que passe, a frente da Casa da Música como diretor compartilha aqui um pouco da sua vida e da luta pelo resgate e valorização da cultura local do bairro de Itapuã, seus trabalhos premiados para o teatro, e o grupo As Ganhadeiras de Itapuã 

 Dea- Como e quando você despertou para vocação musical?

Amadeu- Ainda na barriga da minha mãe, eu já tocava cordão umbilical, depois vivenciando toda a musicalidade que frequentava a minha casa, onde meus irmãos tocavam violão e me ensinaram, onde os amigos de meus irmãos traziam junto com a amizade, os instrumentos do grupo regional que animava as festas que minha mãe acolhia e participava com muita alegria. Nos discos que meu pai comprava e que fizeram parte da minha infância. Nas festas populares do meu querido Itapuã. Acredito, que no meu primeiro mês de vida, que foi o mês de junho, devem ter acontecido muitas coisas que me despertaram musicalidade.

Dea-  O bairro de Itapuã exerceu influencia nessa sua escolha?

Amadeu- O bairro de Itapuã é essencial nesse despertar, inclusive a nível ancestral, pois sinto minhas as tantas histórias ainda não contadas das tribos e aldeias que aqui existiram, que hoje estão guardadas em cada grão das areias brancas do Abaeté, por exemplo.

Dea-   Como vê o cenário musical da Bahia na atualidade?

Amadeu- É uma fonte abundante de possibilidades, que nem a pasteurização imposta pela indústria cultural que assola e tenta solapar a criatividade de nosso povo, vai estancar. Muito está sendo semeado, e já brota uma nova cena bem mais rica do que vimos nos últimos 25 anos.

Dea- Você fez a direção musical de alguns espetáculos premiados, um deles tive a honra de participar como atriz, fale um pouco sobre essas experiências.

Amadeu- Olha, dos espetáculos premiados que fiz direção musical, Um dia um sol (Deolindo Checcucci) arrebatou alguns prêmios pelo Brasil, em Florianópolis, em Guaramiranga no Ceará, João Pessoa. Ai veio Yába, Nasce Uma Nação (Hirton Fernandes / Grupo Tupã), revelação do teatro baiano (Prêmio Braskem), e no festival de teatro de São Mateus (Espírito Santo), além do grande prêmio que foi ter excursionado pela Dinamarca. Teve também O Vôo da Asa Branca, premiado e reverenciado pela crítica brasileira. E cada direção musical que fiz, entre as mais de 15 peças de teatro, espetáculos de circo, de dança, é sempre uma experiência vitoriosa quando você vê o resultado nos palcos e picadeiros, sentindo a reação da plateia. E nesse contexto, não posso deixar de falar da grande experiência do meu primeiro trabalho para teatro, que até hoje encanta o público onde apresentamos, chegando em 2015 aos 20 anos de carreira com quase mil apresentações, que é o FERNANDO PESSOA, com o grande ator Marcos Machado.

Dea-  Vc foi premiado com o troféu Caymmi, isso mudou alguma coisa no seu trabalho ?

Amadeu- Sem dúvida, de alguma forma o trabalho passou a ter mais respaldo. Não é qualquer trabalho que é premiado pelo Caymmi, numa categoria especial, concorrendo com nomes de peso do cenário cultural baiano. O respeito pelo artista passa também por esses reconhecimentos que chegam ao longo da trajetória.

Dea-  Atualmente vc dirige a Casa da Música em Itapuã, como entra na sua vida e o que ela representa ?

Amadeu- Tem coisas que acontecem pela força da história, e nesse caso a história do meu trabalho com a coletividade, com todo o esforço e dedicação a uma causa, as pessoas enxergaram e no momento em que se apresentou a necessidade da ocupação dos espaços culturais da Secult-Bahia por pessoas com perfil de empreender a dinamização dos locais com propriedade, naturalmente a peça encaixou e a engrenagem gerou todo esse trabalho que estamos desenvolvendo na Casa da Música. Ela hoje representa e é um polo emissor e receptor da cultura de Itapuã. É um órgão vital que bombeia um fluxo de seiva que alimenta algumas iniciativas artísticas do bairro. É um pequeno grande espaço da cultura baiana.

Dea-  Você vem realizando um trabalho de resgate cultural com as Ganhadeiras de Itapuã fale um pouco sobre esse trabalho.

Esse é um trabalho, fruto de muita dedicação, da busca de dar seguimento à tarefa de MANTER A TRADIÇÃO, e ao mesmo tempo seguir em frente. Estamos num momento especial, onde o grupo comemora seus dez anos de existência com o lançamento do seu primeiro CD. Pense em um grupo com 40 integrantes, com idades entre 10 e 83 anos. Com uns abnegados zeladores, onde além da minha pessoa, pode-se encontrar Jenner Salgado, Salviano Filho, Edvaldo Borges, trabalhando pela manutenção e sustentabilidade do grupo. E ai, muitas outras parcerias vem se juntando ao trabalho, que é uma referência da cultura baiana e brasileira.

Dea- Sua característica é a de sempre estar em movimento, em parcerias, quais os novos projetos?

Cuidar do que já foi plantado e plantar novas sementes, começando pelo trabalho interior de renovação e fortalecimento.
Quero poder cada vez mais me aproximar das coisas simples que me trazem benefícios, e na medida do possível mostrar algo para as pessoas que possa se tornar comum.

Dentro do trabalho musical que desenvolvo, onde a música instrumental é uma das vertentes mais fortes, venho trabalhando com a REDE SONORA, em parceira com Fabrício Rios, Jonga Lima, e outros tantos contemporâneos que podem ir a construir um trabalho cooperativo.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

ESCOLA ITINERANTE DE TEATRO E PERFORMANCE


De 10 a 22 de março no Centro Cultural Plataforma e de 24 de março a 4 de abril no Cine Teatro Solar Boa Vista, o Grupo Oco Teatro Laboratório irá realizar a 5ª Edição da Escola Itinerante de Teatro e Performance -EITP, onde serão oferecidas às comunidades dos bairros de Plataforma e Engenho Velho de Brotas 4 oficinas gratuitas de teatro que resultarão em uma intervenção que ocupará as ruas, casas, espaços alternativos e os respectivos teatros de cada comunidade. Além de 1 conferência sobre teatro e performance, bate-papo sobre as oficinas e lançamento da 2ª edição da revista Boca de Cena.
Mais informações aqui

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

DEA NO MUNDO ENTRE OS 100 TOP BLOGS DE NOVO




PELA TERCEIRA VEZ CONSECUTIVA O DEA NO MUNDO FICA ENTRE OS 100 TOP BLOGS.
EM BREVE OS CONTINHOS DE SEMPRE ENTREVISTAS COM ARTISTAS DE VÁRIOS SETORES.
OBRIGADO A TODOS QUE VOTARAM E CONTO COM VCS NA PRÓXIMA ETAPA. VOTEM  AQUI